Tudo aquilo que eu não faria por você.




A dor passou. A tristeza de ouvir falar seu nome também. Você se foi, eu chorei, o tempo passou, passei a te odiar, o tempo passou, hoje eu não te odeio mais. Mas a ferida continua ali, exposta, esperando ser cutucada pra voltar a sangrar. Na verdade, o que ficou no final dessa história toda, foi a tal ferida. Aquela que vai me trazer sua lembrança em alguns comerciais de TV, em alguns rostos conhecidos pelas ruas, em algumas músicas que sem querer ouço por aí. Sua lembrança, topar com você na rua, e até mesmo ouvir falar em você não dói mais. A lembrança passa como uma brisa sob meu rosto, daquelas bem levinhas, quase imperceptíveis, e muito breves. E a ferida fica ali, quietinha, esperando seu tempo pra cicatrizar.

Quando dou por mim, estou rindo das lembranças. Pra não doer, pra não cutucar a ferida, escuto a música que eu deveria ter cantado pra você e não cantei; Imagino textos que poderia ter escrito pra você e não escrevi;  Lembro de palavras que deveria ter dito e não falei. Isso me diverte, porque você não foi o único a me enganar. Palavras bonitas, surpresas inesperadas, conversinha furada de amigos, tudo milimetricamente calculado pra me fazer acreditar que você gostava de mim. E no seu jogo, foi ponto pra você. Dois a um.

Eu te perdoei, e esse é o fim do ciclo. Na luta pra tentar te perdoar, me encontrei dinovo: mais feliz, mais objetiva, menos tímida e menos tola. A parte boa disso, é que você me ensinou que não se pode definitivamente confiar em todas as pessoas, por mais alinhadas e certinhas que elas se pareçam. Tem coisas na vida que é preciso ver pra crer, e eu vi. E no meu jogo, foi ponto pra mim. Empate.

Eu não choraria por você, mas chorei; Eu não sentiria saudades de você, mas senti; Eu não deixaria você ir, mas deixei; Eu não te tiraria de dentro de mim, mas tirei. Coisas que eu não faria por você, eu fiz. Coisas que eu não me imaginava fazendo nem por ninguém, eu fiz por você, pra te colocar lá no passado que é o seu lugar agora. E as lembranças, cada vez mais raras, um dia vão se acabar por completo e eu não vou nem mesmo lembrar quem foi você e a dor que um dia me fez sentir. E se um dia você quiser sair do seu lugar (passado), quando você menos esperar, suas lembranças não vão te deixar dormir, e só pra te avisar, eu não estarei mais aqui.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O Blog Menina, te contei? é um blog de Moda, DIY e Lifestyle