O Azul Que Nunca Viu o Céu



“Aô delícia”, “Olha aqui gostosa”, “É assim que o papai gosta”. Que raiva. Todo santo dia. De vez em quando ando três quadras a mais pra desviar a obra e poder chegar em casa a salvo. Feita refém pública. Eu que provoquei tudo isso? Estão todos olhando, ouvindo e ninguém faz nada. Olho pro chão. Ande mais rápido. Mais rápido. Quase em casa. Ufa, cheguei. Por hoje acabou, mas sei que amanhã terá mais. Longos anos até o fim da construção. Eles acabam com o meu expediente.

Nunca quis que meu vestido azul escutasse essas coisas. Ah, o mundo do armário pode ser mais bonito. Acontece que nosso amor foi à primeira vista. Materialismos a parte, foi tudo que eu sempre quis. Nos encontramos. Puro amor em 95 centímetros – sim, eu acabei de medir. Logo me imaginei num dia de sol, sentada no parque, eu e ele.

Não havia uma nuvem no céu. Nenhuma sequer. Seria nosso encontro perfeito. Fui até o guarda roupa, estiquei a mão e finalmente me dei conta que somos Romeu & Julietta. Não tão doce quanto goiabada com queijo. Longe disso, somos amor proibido. Sabe, ao sair de casa, teria que passar pela obra, pegar ônibus… Iria ouvir coisas que nenhuma mulher merece ouvir contra sua vontade. Iriam me olhar.  De cima, dos lados, de  trás. Meu entusiasmo viraria culpa. Culpa de quê? Me sinto mal, enjoada. O paraíso foi interditado pela construção e estou condenada à pena perpétua do short.

Desculpa meritíssimo, mas a ré se declara culpada. Não sei realizar afazeres domésticos, já quebrei louça enquanto estava lavando, minha organização é péssima e sou terrorista quando se trata de lavar, passar e cozinhar. Se a sentença é “você nunca vai arranjar um marido” que seja. Minha vó vai me perdoar algum dia. Não quero ser escrava de ninguém. Já sou quando saio da porta de casa. Quero um parceiro. Pegue sua própria cerveja e só então poderemos brindar. Só assim meu dia poderá ser azul.

O vestido continua guardado. Mas hoje é um dia lindo e raro em Curitiba. Quem sabe seja hora de colocá-lo, passar lá na frente, fazer uma cara feia, dizer umas poucas e boas sobre direitos e educação… E sair correndo pra casa.

Obs.: Nenhum pedreiro foi agredido durante o desenvolvimento desse texto. E sim, não são todos que agem dessa maneira. O exemplo foi pela ‘ilustração’ que ele confere.



10 comentários:

  1. Nossa, incrível esse texto! Adorei *--*
    Parabéns pelo blog, sucesso!
    http://escrituras-da-alma.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Sâmela!

      Caso queira visitar meu blog é: www.correioelegante.blog.br

      Excluir
  2. Nossa que texto mais perfeito,mais bem escrito ou seja mais perfeito!
    http://gabi-modaevoce.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Gabih!
      Que elogio bacana, muito obrigada!

      Caso queira visitar meu blog é: www.correioelegante.blog.br

      Excluir
  3. Fernanda seja um pouco mais compreensiva com trabalhadores da obra, afinal pelo pouco que pude ver na foto abaixo da postagem, você é muito bonita, penso que se eu lhe encontrasse na rua, não "mexeria", pois não tenho esse hábito, mas pelo menos uma olhada eu daria, porque você deve ser bem atraente e pelo que pude perceber pelo texto, também muito inteligente, diria uma mulher interessante e é claro sobranceira, ao ponto de intimidar qualquer homem. Parabéns pelo texto!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi PC!

      Como vai? Usei o exemplo dos trabalhadores para ilustrar o texto. Vale lembrar que generalizar as coisas é uma maneira muito preconceituosa de pensar. Agradeço o elogio! Caso queira conferir mais textos, aqui está o link do meu blog: www.correioelegante.blog.br

      Excluir
  4. Adorei o texto! *--* SUPER BEM ESCRITO!!!

    Beijinhos,
    Nina
    www.storytimestoryteller.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Nina!

      Que gostoso ler isso!

      Caso queira conferir mais, dê uma passa aqui:
      www.correioelegante.blog.br

      Beijo!

      Excluir
  5. Adorei! É imensa a sensação de nojo que sentimos quando este tipo de coisa acontece, mas quem sabe um dia o mundo deixe de ser tão machista e nós possamos sair com vestidos lindos sem culpa?
    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Roberta!

      É com grande satisfação que digo que já usei meu vestido azul! hahaha, afinal, não podemos nos esconder, não é mesmo? Acredito que o mundo está caminhando para ser um lugar menos machista, é só questão de tempo! Enquanto isso... Respeito acima de tudo.

      Caso queira conferir mais textos, vem pra cá:
      www.correioelegante.blog.br

      beijo!

      Excluir

O Blog Menina, te contei? é um blog de Moda, DIY e Lifestyle